Lucas Santanna - 3 Sessions In A Greenhouse

O título do disco é auto-explicativo: "3 sessions in a greenhouse" (Diginóis) foi gravado em apenas três sessões, ao vivo. A idéia era capturar o clima dos shows, com qualidade de estúdio. Já a greenhouse, bom, você pode imaginar.

Para isso, Lucas Santtana e Seleção Natural ocuparam uma grande sala no estúdio AR, no Rio, e gravaram na reta, como se fala no meio musical. Todos tocando juntos, como num show. Vale a melhor tomada coletiva. Sem regravação, sem overdubs, sem retoques.

A linha de baixo acachapante e a metaleira matadora da instrumental "Awô dub", que abre o disco, entrega de cara o elemento unificador do disco: o dub. Lucas Santtana é admirador da vertente alucinada do reggae há muito tempo. Não por acaso, mantém, junto com o inglês David Cole, um sound system nos moldes jamaicanos. O Sensorial Sistema de Som costuma se apresentar nas praias do Rio, com David nos toca-discos e Lucas no MP3.

Isso não significa que Lucas Santtana tenha fugido do seu estilo próprio e que "3 sessions in a greenhouse" tenha uma pegada reggae – não mesmo. O dub aqui é utilizado como ferramenta, não como um estilo. É um modo de produção.

Em todas as faixas o baixo e a bateria estão na frente, os efeitos desnorteiam e te mandam para lugares distantes. No entanto, a idéia não é simplesmente emular os mestres do dub dos anos 70, mas sim adaptar os experimentos jamaicanos à música atual, utilizando o estúdio como um instrumento, independente do gênero musical.

A inédita "Tijolo a tijolo, dinheiro a dinheiro" (que vinha aparecendo nos shows e agora, finalmente, foi gravada), segunda faixa do disco, ilustra bem isso. O cavaquinho ecoa, a voz reverbera, o baixo pulsa, mas só um louco categorizaria a música como reggae. Aliás, classificar "3 sessions in a greenhouse" de qualquer coisa é complicado. E essa é a graça do disco.

"Só baixo se for de graça", diz Lucas na letra da mesma música. O comentário não é gratuito. Lançando o disco por seu próprio selo, o agora digital Diginóis (.com.br), Lucas está ligado no cenário atual da indústria musical. O Diginóis é o novo saite oficial de Lucas Santtana, onde ele passa a manter um blogue.

Pra começar, "3 sessions in a greenhouse" foi realizado com dinheiro captado através de um edital cultural da Petrobrás feito inteiramente online, sem uma folha de papel impressa. Agora, pronto, todas as músicas poderão ser baixadas, gratuitamente, no saite do selo. O disco será vendido fisicamente apenas nos shows.

Tanto as músicas da maneira que foram concebidas, como também as faixas abertas, estão ao alcance de quem se interessar. No dorso da capa lê-se: "Letras, faixas abertas, novas mixes. Participe da evolução desse trabalho". O lance é coletivo.

A mixagem de Buguinha Dub (técnico de PA da Nação Zumbi, que também mixou metade de "E o método tudo de experiências", do Cidadão Instigado, e produziu "3 sessions..." junto com Lucas) é essencial, amarrando os muitos instrumentos e efeitos de maneira eficaz.

O entrosamento com a Seleção Natural – formada por Gil (bateria), David Cole (efeitos), Ricardo Dias Gomes (baixo), Leandro Joaquim (trompete e fluguelhorn), Maurício Zacharias (trombone), Bruno Levi (guitarra) e pelos percussionistas do Trio Onilu (Mestre Leo Leobons, João Gabriel e Leo Saad) – foi imprescindível para o bom resultado final.

Durante a gravação, o ambiente estava tão solto que é possível ouvir os comentários e avaliações dos músicos entre uma faixa e outra. As três sessões foram registradas, com cinco câmeras de vídeo, por Luis Baiia e Pedro Amorim e devem ser reunidas em um DVD em breve.

Não faltaram convidados. Tom Zé participa da regravação samba dub da sua "Ogodô ano 2000" e Gilmar Bola 8 canta em "Pela orla dos velhos tempos", da sua banda, Nação Zumbi, aqui em versão funk (com direito a sample do sample de "Feira de Acari", do DJ Marlboro).

Inspirado na batida de "Colonial mentality", de Fela Kuti, a afrobeat "A natureza espera", feita com Wado, conta com as participações de Marcos Lobato (do Afrika Gumbe) tocando Rhodes, do ator João Miguel (do filme "Cinema, aspirinas e urubus") e da jornalista americana Phylis Huber, lendo um trecho de "The waves", de Virginia Woolf, descrevendo um nascer do sol pra lá de psicodélico. A balada "Into shade" é parceria com Arto Lindsay.

"Deixe o sol bater" (do primeiro disco, "Eletro Bem Dodô") surge em versão instrumental e os parênteses dizendo dubversão de "Lycra-limão" (do segundo disco, "Parada de Lucas") dispensa maiores explicações. Fechando o disco, "Faixa amarela", clássico do repertório de Zeca Pagodinho, vai a Kingston e não volta mais.

"3 sessions in a greenhouse", coincidentemente o terceiro disco da carreira de Lucas Santtana, evoca a tradição jamaicana dos riddims, em que uma canção está sempre viva e pronta para ser manipulada novamente.

Regravações e inéditas se confundem no tempo e no espaço. Cabe a cada ouvinte escolher a sua viagem.

(por Bruno Natal - maio, 2006)

1. Awô dub
2. Tijolo a tijolo, dinheiro a dinheiro
3. Deixe o sol bater(instrumental)
4. A natureza espera
5. Lycra-limão(dubversão)
6. Pela orla dos velhos tempos
7. Into shade
8. Ogodô ano 2000
9. Faixa amarela

Diginóis: Lucas Santanna

5 comentários:

Renata disse...

sem comentarios 1 mto booommm!
e o blog sensacional!!! uma delicia! ;)

Anônimo disse...

Here are some links that I believe will be interested

Anônimo disse...

Hmm I love the idea behind this website, very unique.
»

((( -d(-_-)b- ))) disse...

Amigo, ótima idéia este blog. Parabéns!

Encontrei buscando no Google Blogs algo sobre reggae e dub, estilos que mais me identifico e que também tenho um blog específico sobre o assunto.

Um abraço e vou voltar mais vezes aqui.

Anônimo disse...

Looks nice! Awesome content. Good job guys.
»